A Psicologia hospitalar é um campo de trabalho pouco conhecido pelos estudantes, mas que apresenta grandes oportunidades de atuação e crescimento no mercado. Trabalhando com pacientes, famílias e equipes de médicos e enfermeiros, você realiza não só um acolhimento seguro para os internados, como também fortalece as relações dos profissionais da instituição.

Para tanto, é preciso ingressar na graduação de Psicologia e investir na pós-graduação em Psicologia hospitalar, conhecendo as principais formas de atuação no campo para garantir qualidade de vida para todos que passam pelo hospital.

Neste artigo, separamos as principais informações para você entender o que é Psicologia hospitalar e como trilhar nessa carreira depois de formado. Acompanhe!

O que é Psicologia hospitalar

O primeiro cenário que vem à mente quando pensamos em Psicologia hospitalar é o atendimento de pacientes internados que estão sofrendo com suas patologias, certo? Ainda que essa imagem seja verdadeira, o trabalho de um psicólogo hospitalar vai muito além da escuta individual.

Trabalhando dentro de um hospital, o profissional pode não só investir no atendimento psicoterapêutico individual, como também realizar grupos terapêuticos para pacientes que têm quadros similares, acolhimento familiar, atendimentos em ambulatórios e unidades de terapia intensiva (UTI), psicodiagnóstico, consultoria e avaliação psicológica.

Nesse sentido, podemos dizer que o ramo da Psicologia hospitalar é destinado a pacientes que tenham alguma alteração que desestabiliza o seu funcionamento biopsicossocial, assim como pessoas internadas, famílias e acompanhantes, e equipes médicas e de enfermagem que movimentam o serviço.

Especialização e pós-graduação em Psicologia hospitalar

Como você deve imaginar, o primeiro passo para ser um psicólogo hospitalar é escolher a Psicologia como carreira e iniciar a graduação na área. Depois de cinco anos de curso, é necessário ingressar em uma pós-graduação em Psicologia hospitalar para lapidar seus conhecimentos e garantir uma prática ética e coerente com a realidade.

Legalmente falando, o psicólogo não precisa de uma especialização, mestrado ou doutorado para atuar em um hospital, desde que ele tenha o seu registro no Conselho Regional de Psicologia (CRP). Entretanto, as chances de conseguir um bom emprego na área aumentam consideravelmente com uma pós-graduação.

Aqui você pode escolher entre diversos caminhos, como:

  • mestrado e doutorado em Psicologia hospitalar, optando por uma área de interesse e realizando pesquisas para sustentar suas intervenções;
  • programas de especialização, como: atendimento familiar no contexto hospitalar, luto, Psicologia perinatal, acolhimento de equipes médicas e muitos outros;
  • cursos e workshops únicos sobre os temas que podem contribuir para uma intervenção segura.

Mercado de trabalho

No início do conteúdo explicamos que a Psicologia hospitalar vai muito além do atendimento individual a pacientes com patologias, você se lembra? Pois é, o mercado de trabalho dessa área é muito amplo e conta com diversas intervenções que variam desde o manejo clínico até práticas da Psicologia organizacional e análise institucional.

É por isso que quem é especialista pode trabalhar em ambulatórios, UTIs semi-intensivas e neonatais, pronto atendimento, enfermarias e no centro médico, inclusive nas áreas cirúrgicas para auxiliar pacientes no pré e pós-operatório.

Para tanto, é fundamental investir em uma boa especialização que forneça a base teórica e técnica para sustentar todas as suas intervenções, oferecendo um trabalho de maior qualidade e segurança. Entre as práticas, você pode realizar:

  • avaliação psicológica de pacientes, emitindo laudos para auxiliar a equipe médica no desenvolvimento de diagnósticos, prognósticos e tomadas de decisões considerando a saúde mental do interno;
  • apoio aos pacientes e familiares, realizando grupos de acolhimento, rodas de conversa e atendimentos terapêuticos breves;
  • suporte aos profissionais de saúde, manejando equipes, fortalecendo os vínculos entre os colaboradores dos hospitais e potencializando suas formas de trabalho;
  • apoio às grávidas e puérperas, tanto no pré e pós-parto quanto em processos de luto na maternidade.

Além da especialização, nossa dica de ouro é ficar de olho nos concursos públicos que são emitidos na sua cidade. As provas são excelentes meios para quem quer começar a atuar no campo, já que selecionam profissionais que dominam os principais conhecimentos da área e podem realmente contribuir para o fortalecimento da instituição.

Psicologia hospitalar: salário

Quando o vestibulando, ou mesmo o graduando, está escolhendo qual carreira seguir, surge um fator essencial que precisa ser levado em consideração: a remuneração. Isso porque é ela que orientará quais são as possíveis realidades financeiras do seu futuro, não é verdade?

Para quem pensa em atuar com a Psicologia hospitalar, existem dois cenários que precisam ser analisados: o trabalho em hospitais e o atendimento individual.

Como explicamos, se você investir em concursos públicos, seu salário vai variar de acordo com a disponibilidade do hospital, sua experiência e especialização, ficando entre R$ 3.000,00 e R$ 10.000,00.

É possível, ainda, articular o trabalho em mais de um hospital, já que muitos concursos apresentam uma carga horária pequena, como dez horas semanais, e não demandam dedicação exclusiva. E mais: para trabalhos com tempo maior de atuação, você pode investir na realização de plantões para elevar o seu salário.

psicologia hospitalar

Por outro lado, você também pode, além de ingressar no concurso, investir em um consultório privado para fazer acolhimento individual a pacientes que já passaram por situações vivenciadas nos hospitais e estão em busca de terapia. Assim, você alinha a Psicologia clínica com a prática hospitalar e aumenta sua renda.

Nesse cenário, é possível montar sua agenda de acordo com os horários dos hospitais e determinar o valor da sua sessão com base no tempo de experiência e nível de especialização.

Perfil do psicólogo hospitalar

Ao longo do conteúdo, conversamos bastante sobre o que é Psicologia hospitalar, suas principais áreas de atuação e melhores especializações. Com isso em mente, muitos estudantes se questionam se existe um perfil profissional específico para quem deseja trabalhar no campo.

Na verdade, qualquer profissão demanda habilidades diferenciadas para conseguir atuar de forma ética, responsável e eficaz. Por exemplo, quem deseja seguir carreira administrativa, precisa ter boas competências de comunicação, da mesma forma que quem quer atuar na Psicologia precisa desenvolver sua escuta.

Então, quais serão as habilidades que um estudante precisa desenvolver para ter uma excelente carreira na Psicologia hospitalar? A seguir, elencamos as principais, confira:

  • saber trabalhar em equipe e valorizar a atuação multiprofissional, articulando saberes psicológicos aos conhecimentos médicos, fisioterapêuticos, da enfermagem e de familiares;
  • conhecer suas limitações profissionais e identificar campos em que não consegue atuar, como em UTIs neonatais;
  • estimular a constante atualização e estudo, buscando sempre melhorar suas práticas de intervenção;
  • ser ético e empático, respeitando o desejo do paciente.

Lembre-se de que essas habilidades não são desenvolvidas rapidamente, ok? Cada uma delas é aprendida ao longo da graduação e pós-graduação, potencializando suas competências a ponto de atuar de forma ética, segura e acolhedora.

É fundamental ter em mente, também, que às vezes o atendimento que o paciente precisa é apenas uma escuta do seu sofrimento ou o acolhimento dos familiares que estão vendo seu ente querido ser internado e submetido a procedimentos médicos.

Respeitar a demanda e a necessidade dele é um passo imprescindível para se tornar um bom profissional da área.

Você percebe como o trabalho da Psicologia hospitalar é essencial nos dias de hoje? Saber como realizar o acolhimento de pacientes internados, fortalecer os vínculos dos profissionais de saúde e amparar famílias em sofrimento aumenta a qualidade de vida de todos que circulam nos centros de saúde, garantindo melhores atendimentos.

E aí, ainda não sabe qual curso fazer? Então confira nossas dicas para fazer a escolha certa e garantir um excelente futuro profissional!

Você pode gostar também