Por se tratar de uma engenharia relativamente nova (principalmente quando a comparamos com as engenharias mecânica, civil e elétrica), a Engenharia de Materiais é um curso que vem se destacando cada vez mais entre as ciências exatas.

Entretanto, mesmo sendo um curso bastante procurado pelos vestibulandos, muitas pessoas ainda não sabem, de fato, o que é Engenharia de Materiais, bem como qual é a sua grade curricular, a realidade atual do mercado de trabalho, entre outros fatores.

Em vista disso, para auxiliar os estudantes que desejam conhecer mais sobre essa carreira, preparamos um conteúdo explicando tudo sobre a Engenharia de Materiais. Boa leitura!

Engenharia de materiais: o que é?

Engenharia de Materiais nada mais é do que a engenharia responsável por estudar a transformação e a produção da matéria por meio de aprofundados conceitos de química e física.

Engenharia de materiais: o que faz?

O profissional de engenharia de materiais após a sua formatura está apto a realizar as seguintes tarefas:

  • seleção e especificação de materiais;
  • adequação de novos materiais para processos específicos de engenharia;
  • avaliações de custo para reduzir despesas em uma indústria a partir da utilização de materiais;
  • desenvolvimento de novos materiais, seus métodos e processos de fabricação;
  • perícia de falha de peças;
  • desenvolvimento de novas técnicas de reciclagem.

Engenharia de materiais: salário

O salário desse profissional poderá variar conforme a sua experiência e o porte da empresa em questão. Para termos uma ideia, um engenheiro de materiais recém-formado recebe usualmente entre R$ 3.500,00 e R$ 4.500,00.

Já um profissional com mais anos de mercado pode alcançar um salário na faixa de R$ 7.000,00 até R$ 10.000,00.

Engenharia de materiais: grade curricular

Confira agora algumas das principais disciplinas que estão presentes na grade curricular do curso de Engenharia de Materiais:

  • Cálculo Diferencial de Integral I, II e III;
  • Princípios de Ciência e Engenharia de Materiais;
  • Geometria Analítica e Álgebra Linear;
  • Física I, II e III;
  • Eletromagnetismo;
  • Mecânica dos Fluídos;
  • Resistência dos Materiais;
  • Comportamento Mecânico dos Materiais;
  • Estrutura e Propriedade de Metais;
  • Ciência dos Materiais;
  • Seleção de Materiais;
  • Processos Primários de Fabricação;
  • Princípios de Eletrotécnica;
  • Mecânica Fundamental;
  • Estrutura e Propriedade de Polímeros;
  • Cálculo de várias Variáveis;
  • Técnica de Análise;
  • Estrutura, Tratamento e Propriedade de Cerâmicas;
  • Termodinâmica;
  • Síntese de Materiais;
  • Ensaio de Materiais;
  • Comportamento Mecânico dos Materiais;
  • Desenho Técnico;
  • Tratamentos Térmicos;
  • Transferência de Calor e de Massa.

Engenharia de materiais: faculdades

Seja em instituições de ensino privadas, seja nas universidades públicas, há várias faculdades espalhadas pelo Brasil que oferecem esse curso, entre elas, podemos destacar:

  • Universidade Federal de São Carlos;
  • Universidade Federal Rural de Pernambuco;
  • Universidade Federal de Pelotas;
  • Universidade Federal do Piauí;
  • Universidade Federal do Amazonas;
  • Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais;
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná;
  • Universidade de São Paulo;
  • Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará;
  • Universidade Federal de Santa Catarina;
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro;
  • Universidade Federal de Campina Grande;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul;
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa; 
  • Universidade Federal do Cariri;
  • Instituto Federal do Pará.

Engenharia de Materiais: nota de corte

Uma das principais portas de entrada para as melhores universidades privadas e públicas do país é por meio do Sistema de Seleção Unificada — SISU. Por isso, para quem deseja cursar Engenharia de Materiais, é fundamental ficar atento com as notas de corte dos anos anteriores para que assim o vestibulando tenha uma ideia mais clara de qual deverá ser o seu desempenho no Enem para conseguir assim a tão sonhada vaga.

Desta forma, veja as notas de corte, com ampla concorrência, de Engenharia de Materiais do ano de 2019:

  • Universidade Federal de Pelotas: 619 pontos;
  • Universidade Federal do Recôncavo da Bahia: 622 pontos;
  • Universidade Federal Rural de Pernambuco: 625 pontos;
  • Universidade Federal de Sergipe: 640 pontos;
  • Universidade Federal da Paraíba: 640 pontos;
  • Universidade Federal da Integração Latino Americana: 640 pontos;
  • Universidade Federal de Campina Grande: 648 pontos;
  • Universidade Federal de Itajubá: 655 pontos;
  • Universidade Federal de Santa Catarina: 688 pontos;
  • Universidade Federal Fluminense: 695 pontos;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul: 697 pontos;
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro: 750 pontos;
  • Universidade Federal de São Carlos: 752 pontos;
  • Universidade de São Paulo: 776 pontos.
pessoas engenharia de materiais

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para quem se forma nesse curso felizmente é bem amplo, isso porque o profissional sai da universidade e já está apto a atuar em indústrias dos seguintes ramos:

  • petróleo e gás;
  • energias renováveis;
  • bens duráveis;
  • cerâmicos;
  • polímeros;
  • álcool;
  • bens de consumo;
  • aço e metal.

Vale ressaltar, ainda, que o maior polo industrial dessa área se concentra na região Sudeste, essencialmente nas cidades ao redor da capital paulista, já que há muitas empresas nacionais e multinacionais do ramo de materiais e derivados neste local.

Perfil do profissional

O engenheiro de materiais tem o perfil de um profissional que consegue alinhar conhecimentos de química, matemática e física com métodos e técnicas de engenharia. Além disso, é essencial informar que essa área tem muita relação com os avanços tecnológicos, já que a descoberta de novos materiais e técnicas de fabricação fazem parte do campo de atuação dessa engenharia.

Por isso, é muito importante que o engenheiro de materiais goste de tecnologia, buscando assim ficar atualizado com as novidades de mercado e as tendências científicas da área.

Sendo assim, agora que você já conhece melhor o curso de Engenharia de Materiais, fica mais fácil de entender o porquê dessa área exigir bons conhecimentos do aluno de química, matemática e física. Por isso, é fundamental que você saiba bem quais são as suas melhores habilidades, para que dessa forma você escolha um curso adequado ao seu perfil de estudante e aumente as chances de fazer uma boa graduação.

Está pensando em ingressar para o curso de Engenharia de Materiais? Antes de tomar essa importante decisão, confira nosso post sobre teste vocacional e saiba se essa área tem de fato relações com o seu perfil profissional!

Você pode gostar também