Atualmente as pessoas estão buscando novas formas de tratamento. Os pacientes, cada vez mais, estão exigindo métodos mais humanizados. Sendo assim, a tendência é que as medicinas alternativas sejam adotadas com maior frequência, e a medicina integrativa é uma dessas formas de tratamento.

Estamos falando sobre um método que, como o próprio nome evidencia, trata o paciente de maneira humanizada e totalmente integrada.

A medicina integrativa tem crescido muito no ambiente clínico, uma vez que propõe uma abordagem dos pacientes como um todo, levando em conta todos os aspectos que acabam influenciando o processo saúde-doença.

Quer saber mais detalhes sobre essa profissão? Continue a leitura e descubra o que é, quais são os princípios, as vantagens e muito mais! Vamos lá?

O que é medicina integrativa

Trata-se de uma modalidade de medicina que tem como principal objetivo integrar todos os aspectos do paciente (mentais, físicos e emocionais) a fim de descobrir a causa de determinadas doenças e o tratamento mais adequado para alcançar sua cura por meio de uma análise holística da pessoa.

Para tanto, essa prática conta com abordagens terapêuticas e com evidências adequadas para cada caso, além de uma eficaz parceria entre os profissionais de saúde e os pacientes.

Para o enfermo ser acompanhado de forma completa, uma equipe de profissionais é envolvida no tratamento, criando estratégias para melhorar a qualidade de vida do paciente de maneira geral, não somente direcionando atenção total à doença em si.

Psicólogos, médicos, nutricionistas, enfermeiros e fisioterapeutas trabalham em conjunto, sendo que todos os seus conhecimentos são levados em consideração no atendimento.

Princípios da medicina integrativa

A medicina integrativa se baseia nos seguintes princípios:

  • a saúde precisa ser vista como resultado de vários fatores: emocional, mental, físico, social e espiritual, capacitando o indivíduo para que seja engajado com a própria vida e bastante ativo em seu tratamento;
  • parceria entre profissionais da saúde e pacientes, sendo que ambos devem estar comprometidos com o engajamento no tratamento;
  • o paciente vai ter suas opiniões e decisões consideradas no tratamento;
  • o plano de tratamento do paciente é compartilhado entre todos os profissionais envolvidos, de modo que todos possam integrar suas especialidades no atendimento do indivíduo, assim como suas abordagens terapêuticas;
  • a utilização apropriada de terapias com base na medicina tradicional é fundamental para ajudar no processo de cura;
  • cada pessoa recebe uma estratégia de tratamento individualizada, levando em conta seu modo de vida e suas necessidades;
  • o plano de tratamento é dirigido não somente para a doença em si. Ele assiste o paciente em sua totalidade, abordando todos os fatores do problema e sua cura;
  • é preciso priorizar o uso de métodos terapêuticos naturais sempre que possível;
  • os pacientes precisam receber toda a orientação para administrar e reconhecer fatores estressantes;
  • os pacientes precisam receber todas as orientações nutricionais, levando em conta que a alimentação apresenta uma significativa influência tanto na enfermidade quanto na cura;
  • aplicar na medicina uma abordagem totalmente aberta a novos paradigmas e à investigação;
  • a prevenção de enfermidades e a promoção da saúde são enfatizadas no tratamento, fazendo uso de conceitos atestados de forma científica para tal finalidade.
medicina integrativa

Benefícios da medicina integrativa

Veja, a seguir, os principais benefícios da medicina integrativa!

Melhor relação entre o médico e o paciente

Um dos processos cruciais dessa medicina é o fortalecimento da relação entre o profissional da saúde e o paciente. Com essa abordagem, o médico vê o paciente em todos seus âmbitos, sendo preciso saber ouvi-lo, ter um olhar humanizado e construir uma relação duradoura.

Prevenção de doenças

Como essa é uma medicina que cuida dos pacientes e não somente da doença, vários fatores são trabalhados, mesmo que não estejam totalmente relacionados à enfermidade.

Por exemplo, com o auxílio de um acompanhamento psicológico, uma pessoa acima do peso consegue lidar melhor com as situações de estresse e ansiedade, sem precisar usar os alimentos como subterfúgio.

Melhor qualidade de vida para os pacientes

Como você já percebeu, na medicina integrativa, o paciente deixa de ser passivo no tratamento, passando a ser o agente principal de promoção da sua própria saúde.

Como esse método traz uma visão bem mais completa sobre a pessoa, inúmeras técnicas são usadas para a prevenção ou cura de doenças, permitindo que os resultados sejam mais eficazes.

Com esse tratamento extremamente amplo, a qualidade de vida das pessoas melhora significativamente, afinal de contas, ter uma saúde de excelência vai muito além de apenas curar doenças, mas de procurar a prevenção e o equilíbrio durante toda a vida. É exatamente sobre isso que a medicina integrativa se trata.

Curso de medicina integrativa

Preparar-se para ser um médico nessa especialidade representa uma maratona totalmente dedicada aos estudos. Para se formar em medicina integrativa, é preciso, antes de tudo, cursar a graduação em medicina.

Vale lembrar que o curso de medicina forma profissionais com capacidade de cuidar da saúde humana. Portanto, o médico se torna apto a solicitar exames, emitir diagnósticos, prescrever tratamentos e medicamentos e realizar cirurgias.

O curso tem duração mínima de seis anos, o que equivale a 12 semestres. Desse modo, o aluno que completa todo esse percurso fica habilitado a atuar como clínico geral, passando a ser, portanto, um médico generalista.

Algumasfaculdades reconhecidas pelo MEC (Ministério da Educação) onde é possível cursar medicina são:

  • Universidade de São Paulo;
  • Universidade Anhanguera (MT);
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul;
  • Universidade Federal de Minas Gerais;
  • Universidade Federal de Brasília;
  • Faculdade de Medicina do ABC (SP).

Vale lembrar que os estudantes formados devem se registrar no CRM (Conselho Regional de Medicina) para que possam exercer a profissão dentro da lei.

Então, assim que o curso de medicina estiver concluído e que o CRM estiver em mãos, o próximo passo é realizar uma especialização em medicina integrativa.

O curso de especialização em medicina integrativa tem, em média, 17 meses de duração, tendo aproximadamente 160 horas de prática. Algumas faculdades que oferecem o curso são:

  • Universidade de Uberaba;
  • Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein;
  • Pontifícia Universidade Católica Rio;
  • Fundação de Assistência e Previdência Social do BNDES.

Mercado de trabalho

De modo geral, o mercado de trabalho para essa profissão é bem diversificado e muito fácil de conquistar uma colocação e ter uma carreira de sucesso. Além disso, vale lembrar que quase não há profissionais dessa área desempregados no país.

Há boas oportunidades de serviço na saúde privada e pública, hospitais, clínicas, centros de pesquisas, consultórios, empresas ou em consultório particular.

A presença da medicina integrativa é uma tendência global em instituições de vários segmentos, utilizando como diretriz técnicas bastante conhecidas para trazer o bem-estar para os colaboradores.

Quando as pessoas que trabalham nas empresas contam com uma boa qualidade de vida, as corporações acabam usufruindo de alguns benefícios, como funcionários mais comprometidos, um clima organizacional mais saudável, e, claro, melhor gerenciamento do estresse. Tudo isso resulta em um enorme ganho de capital para os empreendimentos.

Bom, como você pôde ver, a medicina integrativa é uma prática totalmente centrada no paciente e aborda todos os elementos que interferem na segurança ou na efetividade do tratamento implantado.

Logo, deve ser bem explorada e conhecida pelos profissionais clínicos, afinal, traz propostas para complementar as terapias já instaladas, além de oferecer diferenciadas oportunidades ao paciente resistente aos preceitos da medicina tradicional.

O que achou do texto? Gostou e quer continuar aprendendo conosco? Então aproveite que está por aqui e saiba tudo sobre o curso de medicina!

Você pode gostar também