Por se tratar de uma área bem vasta e com diversas possibilidades de especializações, a Medicina oferece aos seus estudantes vários campos de atuação. Dentre eles, vale destacar o da Ortopedia, já que atualmente ela é uma das especializações mais procuradas no Brasil.

Principal área da Medicina responsável por estudar a estrutura do corpo humano, a formação em Ortopedia exige do estudante uma elevada carga de estudos e muitos anos de dedicação na universidade.

Dessa forma, com o objetivo de explicar melhor o que se estuda nesse curso, bem como as suas possibilidades de atuação no mercado de trabalho, preparamos um conteúdo abordando tudo sobre a Ortopedia. Confira a seguir!

O que é Ortopedia?

A Ortopedia é a especialização da Medicina (dentre as 53 especialidades médicas no Brasil) que é responsável pelo diagnóstico, prevenção e tratamento das lesões relacionadas à locomoção humana, as quais implicam no estudo de ossos, nervos, músculos, ligamentos, articulações e tendões.

Curso de Ortopedia

Em primeiro lugar, é importante deixar claro que o estudante que deseja ser um Ortopedista precisa cursar Medicina e, posteriormente, ingressar em uma residência voltada para a Ortopedia.

Desse modo, o profissional ortopedista precisa de no mínimo 9 anos para receber o Título de Especialista e Ortopedia e Traumatologia — TEOT, sendo 6 anos cursando Medicina e 3 anos na residência.

A especialização em Ortopedia dura 3 anos e possibilita ao médico aprofundar os conhecimentos em todas as áreas acerca do aparelho locomotor humano, como a fisiologia, anatomia e fisiopatologia.

Onde estudar Ortopedia?

Existem centenas de universidades espalhadas pelo Brasil que oferecem o curso de Medicina. Dentre as principais, podemos destacar:

  • Universidade Federal de Minas Gerais — (UFMG);   
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul — (UFRGS);
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro — (UFRJ);
  • Universidade Federal de São Paulo — (UNIFESP);
  • Universidade Federal do Paraná — (UFPR);
  • Universidade de Brasília — (UNB);
  • Universidade Federal do Ceará — (UFC);
  • Universidade Federal de Santa Catarina — (UFSC);
  • Universidade Federal de Pernambuco — (UFPE);
  • Universidade Federal de Santa Maria — (UFSM);
  • Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais — (PUC Minas);
  • Pontifícia Universidade Católica de São Paulo — (PUC SP);
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro — (PUC RJ);
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro — (UFRJ);
  • Faculdade de Minas Gerais — (FAMINAS);
  • Universidade José do Rosário Vellano — (UNIFENAS BH);
  • Universidade Federal da Bahia — (UFBA);
  • Universidade de São Paulo — (USP);
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho — (UNESP);
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul — (UFMS);
  • Universidade Estadual do Oeste do Paraná — (UniOeste);
  • Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto — (FAMERP);
  • Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora — (SUPREMA);
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte — (UFRN);
  • Universidade Federal do Triângulo Mineiro — (UFTM);
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul — (PUC RS).

Ortopedia: grade curricular

Além de concluir a grade curricular da graduação em Medicina, um residente em Ortopedia precisa aprofundar seus estudos nas seguintes matérias/áreas:

  • métodos de diagnósticos em Ortopedia e Traumatologia (ultrassonografia, radiologia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, entre outros;
  • imobilizações em Ortopedia;
  • consolidação das fraturas e suas complicações gerais;
  • lesões nervosas;
  • fisiopatologia;
  • diagnóstico, tratamento e complicações de fraturas, entorses, luxações e contusões em geral.

Mercado de trabalho

Segundo dados do próprio Conselho Federal de Medicina – CFM, atualmente existem no Brasil cerca de 13 mil médicos especializados em Ortopedia.

Ao analisarmos esse número, pode parecer que há muitos profissionais disponíveis no mercado de trabalho. Entretanto, em um país onde há mais de 200 milhões de habitantes, essa quantidade de especialistas é muito baixa — isso porque dá uma média de 1 ortopedista para cada 15.300 habitantes.

Logo, podemos afirmar com certa segurança que o mercado de trabalho para o ortopedista atualmente se encontra em um cenário muito favorável, com várias oportunidades de emprego.

Atuação do ortopedista

São várias as formas de atuação de um ortopedista, já que esse profissional pode atuar em consultórios, clínicas, hospitais privados e unidades públicas de saúde. Além disso, existe a possibilidade de o médico trabalhar com autônomo, ficando responsável, assim, pela montagem de sua própria clínica e captação de pacientes.

Já em relação à rotina de trabalho de um ortopedista, podemos destacar tarefas como:

  • realização de consultas de rotina;
  • diagnóstico de problemas relacionados à locomoção motora;
  • solicitação de exames;
  • acompanhamento de pacientes em fase de recuperação pós-trauma;
  • realização de cirurgias;
  • prescrição de medicamentos;

Locais de trabalho

Sobre os locais de trabalho, é comum encontrar ortopedistas em:

  • enfermarias;
  • ambulatórios;
  • prontos-socorros;
  • centros cirúrgicos;
  • centros de fisioterapia.

Salário de um ortopedista

A remuneração de um ortopedista varia conforme fatores como tempo de experiência, cidade de atuação, porte da empresa, formação acadêmica, entre outros.

Contudo, para se ter uma ideia, um ortopedista em início de carreira ganha por volta de R$ 4.000,00. Já um profissional com mais tempo de atuação pode alcançar salários de até R$ 20.000,00.

Em outras palavras, os profissionais desse setor geralmente são bem remunerados, até porque após 9 anos de estudos o ortopedista consegue alcançar um bom nível de especialização dentro da área.

Desse modo, percebemos que a Ortopedia é uma área da Medicina que propicia aos graduados uma diversificada possibilidade de atuação no mercado de trabalho. Além disso, cabe ressaltar que esse profissional só consegue exercer a função de especialista em Ortopedia após 9 anos de estudo, sendo 6 deles na graduação de Medicina e 3 anos na residência em Ortopedia.

Se você gostou das informações deste post, mas ainda está em dúvidas sobre qual curso quer fazer, continue aqui no blog e confira também 5 dicas para ajudar na escolha do seu curso!

Você pode gostar também