A carreira médica oferece muitas oportunidades de atuação para seus profissionais. Afinal, com a graduação completa, é possível escolher uma área de especialização e aprofundar seus conhecimentos para praticá-la com excelência. Uma dessas possibilidades é a Ginecologia, campo que trabalha com a saúde da mulher.

Quem deseja seguir esse caminho profissional precisa ter em mente o que é Ginecologia e o que é preciso fazer para se tornar referência na área. Pensando nisso, preparamos este conteúdo com as principais informações sobre esse trabalho, para você decidir se essa é acarreira certa para você. Confira!

O que é Ginecologia?

Para falarmos sobre a carreira nessa área, precisamos compreender o que é Ginecologia. Como explicamos no início do conteúdo, ela é um campo de ciência e profissão da área médica dedicado aos estudos e intervenções sobre a saúde da mulher. Nesse contexto, é muito comum encontrar mulheres que conhecem suas ginecologistas desde pequenas, já que o acompanhamento pode ser feito a partir da infância e adolescência.

Indo mais além, a Ginecologia estreita o seu foco de trabalho, direcionando o olhar para o sistema reprodutor feminino. Nesse sentido, muitos médicos optam por especializar-se em Ginecologia e obstetrícia, tornando-se aptos a realizar partos e procedimentos cirúrgicos que envolvam os órgãos reprodutores, como útero e ovários.

Vale ressaltar que também faz parte da ação da Ginecologia a realização de diagnósticos médicos sobre a saúde sexual das mulheres. Como exemplo, podemos citar os exames papanicolau e mamografia, responsáveis por identificar o câncer de colo de útero e nódulos nas mamas e oferecer ao médico uma sólida base de trabalho.

Ginecologia natural

Uma área de atuação da Ginecologia que vem sendo ampliada é a natural. Utilizando como base os estudos orientais sobre saúde e doença, a Ginecologia natural cria formas de atuação diferentes das técnicas médicas ocidentais. Como funciona um atendimento nessa área?

Depois da especialização, você pode iniciar seus estudos sobre esse campo de trabalho e atender mulheres que estão com algum problema de saúde, como candidíase e outras infecções do sistema reprodutivo. Aliando algumas técnicas ocidentais, como o uso defármacos, a estratégias orientais, como a aplicação de ervas e ingredientes naturais, você exerce a Ginecologia natural.

Além disso, todas as intervenções desse modelo de trabalho são pautadas na promoção de saúde e autonomia das mulheres. Nesse sentido, é responsabilidade do ginecologista natural oferecer uma série de ferramentas e conhecimentos para que suas pacientes possam conhecer o funcionamento do seu organismo e aprender a reconhecer os seus sinais.

Subespecializações da Ginecologia

Você já deve ter percebido que a Ginecologia apresenta uma série de possibilidades de trabalho, não é verdade? A atuação mais clássica, com que estamos familiarizados, é o médico que atende no seu consultório, realizando consultas marcadas e fazendo os exames necessários para a manutenção da saúde feminina.

No entanto, existem diversas subespecializações da Ginecologia em que você pode investir para ampliar a sua atuação, como:

  • densitometria óssea: você será responsável por diagnosticar e medir a massa óssea dos fetos das suas pacientes;
  • mamografia computadorizada: trabalha com máquinas e realiza exames avançados de mamografia;
  • reprodução humana: pode atuar com inseminação artificial, como fertilizações in vitro e tratamentos hormonais;
  • medicina fetal: cuida da saúde fetal, realizando diagnósticos precoces, procedimentos cirúrgicos e ultrassons.

É fundamental ter em mente que, para cada subespecialização, é necessário realizar um estudo aprofundado sobre a área. Assim como qualquer profissão, quem opta por seguir a carreira deMedicina precisa se acostumar com os estudos e adaptá-los como parte constante da sua rotina profissional.

Grade da especialização

Ao longo do conteúdo, você pode conhecer o que é Ginecologia, o seu foco e diversas possibilidades de atuação no mercado. Mas será que o estudante precisa ampliar bastante seus conhecimentos para se especializar na área? Para responder a essa pergunta, precisamos identificar qual é o campo de trabalho que você deseja.

De maneira geral, a grade da especialização conta com as seguintes disciplinas:

  • anatomia do sistema reprodutor feminino;
  • exame físico;
  • fisiologia do sistema reprodutor feminino;
  • patologia feminina;
  • patologia fetal;
  • psicologia básica;
  • semiologia e diagnóstico geral;
  • técnicas de exame pré-natal;
  • técnicas de exame de Ginecologia;
  • ultrassonografia.

É claro que, dependendo da subespecialização escolhida, a grade curricular é mais ou menos focada em um desses assuntos. Por exemplo, se você optar por seguir carreira na medicina fetal, matérias como patologia fetal e técnicas de exame pré-natal serão mais aprofundadas, para que você domine conteúdos essenciais para sua intervenção.

bebe ginecologia

Mercado de trabalho

Não há como negar: o mercado de trabalho oferece boas oportunidades para os médicos. Afinal, com tantas áreas de atuação, é natural encontrar cada vez mais possibilidades de crescimento profissional. Por exemplo, quem se forma em Medicina e não realiza nenhuma especialização pode trabalhar em hospitais, clínicas, ambulatórios, centros e postos de saúde.

Se você optar pela carreira ginecológica, saiba que encontrará boas possibilidades de contratação. Além de atuar em hospitais, você pode trabalhar em maternidades, clínicas públicas e privadas — tanto de atendimento individual quanto de fertilização e de imagem — e laboratórios.

Essa grande oferta ocorre em função do aumento da procura por atendimentos qualificados para as mulheres. Cada vez mais, a consciência corporal feminina vem chamando a atenção dos médicos, trazendo à tona a importância dos cuidados com a saúde dessa população, sobretudo mulheres grávidas.

O profissional da área

Para se tornar um bom profissional da área, é necessário investir nos seus estudos. Como você deve imaginar, tornar-se médico pode ser um grande desafio para os estudantes, já que é necessário passar em um vestibular concorrido, cursar seis anos de graduação para, depois, especializar-se em Ginecologia durante a residência. Ao final desse período, é preciso realizar a prova de títulos e, então, conquistar o seu diploma.

Além dessa jornada de estudo e dedicação, quem quer se tornar ginecologista deve desenvolver uma série de habilidades que fortalecem sua atuação, como:

  • boa comunicação com seus pacientes;
  • gostar de ter contato com os outros e conhecer sobre suas histórias de vida;
  • não ter vergonha de falar sobre relações sexuais e suas complicações;
  • saber trabalhar em equipe, atuando junto de enfermeiros, nutricionistas e psicólogos.

Se você ainda não tem algumas dessas características, mas quer seguir carreira na área, não se preocupe! Cada competência listada pode ser desenvolvida durante a sua graduação, especialização e prática. O fundamental é estar aberto para aprimorá-las e fortalecer sua relação com seus pacientes.

Quanto ganha um ginecologista?

Para concluir o nosso conteúdo, selecionamos um tópico muito importante para ajudar você a decidir qual curso superior seguir: a remuneração de um ginecologista. Ainda que não seja a informação que decidirá a sua jornada profissional, o salário é uma variável relevante para você planejar o seu futuro.

Por ser uma área em expansão, a Ginecologia apresenta um salário diferente para cada subespecialização. Os plantonistas de clínicas e hospitais, por exemplo, recebem cerca de R$ 900,00 por hora de plantão, além do seu salário regular. Quem trabalha com atendimento individual pode montar uma tabela de preços e cobrar a partir do serviço oferecido.

Ainda, a remuneração varia de acordo com o regime de contratação e a região do país. Via de regra, cidades menores e do interior tendem a oferecer um salário mais alto em comparação às grandes metrópoles, como Rio de Janeiro e São Paulo. Isso, porque a busca pelo atendimento é sempre alta, enquanto a oferta de serviço é baixa.

A carreira em Ginecologia oferece uma série de benefícios para seus profissionais. Além de garantir boas oportunidades no mercado, quem é especializado na área pode entrar em contato com diferentes campos da Medicina e expandir cada vez mais sua atuação, conquistando possibilidades reais de crescimento e reconhecimento.

Ainda não sabe se a Ginecologia é o campo certo para você? Aproveite para conhecer como funciona o curso de obstetrícia e fazer uma boa escolha!

Você pode gostar também