Escolher qual curso superior seguir é sempre um grande desafio. Afinal, a decisão representa um momento importante da sua trajetória enquanto estudante e determina o seu futuro profissional. Uma das atuações que vem tomando força nos últimos anos é a Psicologia clínica, você a conhece?

Dentro dos estudos da Psicologia, essa área trabalha com a escuta ética e ativa dos desconfortos que pacientes trazem em atendimentos individuais, grupais ou em instituições. Assim, é possível explorar as potencialidades de cada um para aprimorar sua qualidade de vida.

Pensando em ajudar você a entender o que é Psicologia clínica, preparamos este conteúdo com as principais informações sobre o tema. Confira!

O que é Psicologia clínica?

Qual é a primeira imagem que surge na sua mente quando falamos em Psicologia clínica? Provavelmente, um terapeuta sentado em uma poltrona confortável, rodeado por móveis e livros que trazem uma sensação de conforto, atendendo um cliente que está em sofrimento, não é mesmo?

Pois é, a Psicologia é a ciência que estuda os fenômenos psicológicos que atravessam a realidade de todos nós. Por meio de diversas abordagens — que explicaremos ao longo do texto —, os profissionais da área auxiliam as pessoas a lidarem de maneira mais saudável com algum desconforto.

Isso quer dizer, então, que a Psicologia pode ser articulada nos mais variados campos de trabalho: desde o atendimento individual até o trabalho em empresas, hospitais, postos de saúde e escolas. Afinal, todos esses espaços são compostos por relações que podem ser mediadas por meio do olhar psicológico.

Então, onde que a Psicologia clínica entra em cena? A imagem mais tradicional de um psicólogo clínico é aquela que comentamos no início deste artigo: um terapeuta em seu consultório atendendo um paciente por vez, escutando aquilo que gera sofrimento na sua vida e auxiliando-o a transformar essa realidade de forma saudável.

Acontece que essa não é a única forma de trabalhar com a Psicologia clínica, ainda que seja a mais comum e amplamente disseminada entre os profissionais e pacientes. Ela é a área que estuda as formas saudáveis de manejar situações conflituosas, escutando o outro e potencializando os recursos que ele mesmo tem para lidar com o problema.

Assim, por meio da escuta ativa e acolhedora, um psicólogo que trabalha em uma organização, por exemplo, pode atuar com a clínica psicológica e auxiliar o profissional a transformar suas relações de trabalho que estão em conflito.

psicologia clínica

Especialização em Psicologia clínica

Você já deve ter percebido que a Psicologia clínica vai muito além do atendimento individual, certo? Profissionais que desejam seguir esse caminho contam com um grande leque de possibilidades de trabalho, desde a abertura do seu consultório até a realização de terapias grupais e atuação em empresas, hospitais e escolas.

Entretanto, para garantir que essas oportunidades sejam aproveitadas, é fundamental investir em especializações e dar continuidade aos estudos. Assim, você garante uma excelente atualização e mantém o seu conhecimento sempre articulado com as principais novidades da área.

Então, quais são as possibilidades de especialização em Psicologia clínica? Na verdade, existem dois grandes campos de escolha que um estudante precisa considerar: a abordagem psicológica e a área de atuação. Entre as abordagens, encontramos:

  • Psicanálise: tem como nomes mais marcantes Freud e Lacan e foca no atendimento individual;
  • Psicologia Analítica: utiliza os princípios de Jung para realizar terapia individual ou grupal;
  • Gestalt-terapia: tem como base teórica a fenomenologia e enfatiza a responsabilidade individual e coletiva dos sujeitos;
  • Existencialismo: também utiliza a fenomenologia como base teórica e foca na experiência do presente, articulando por vezes com acontecimentos do passado;
  • Psicodrama: assim como as abordagens anteriores, tem como base a fenomenologia e utiliza técnicas de dramatização para terapias individuais e grupais;
  • Psicologia Sistêmica: foca na visualização dos clientes como sujeitos holísticos e é a mais utilizada para terapias familiares;
  • Psicologia Comportamental: utiliza os princípios da análise comportamental para auxiliar os pacientes a transformarem padrões comportamentais disfuncionais;
  • Terapia Cognitivo-comportamental: alinha o conhecimento cognitivo ao comportamental para ser aplicado no contexto de atendimento individual.

Todas essas abordagens apresentam cursos de especialização, sendo assim, você só poderá se tornar um psicólogo analítico, por exemplo, se investir no curso de pós-graduação em Psicologia Analítica. Uma vez determinada a teoria que orientará a sua escuta e seu olhar clínico, é preciso escolher a sua área de atuação, que pode envolver campos como:

  • Psicologia clínica tradicional: abertura do seu consultório individual e/ou grupal;
  • Psicologia hospitalar: trabalho em hospitais atendendo pacientes e familiares ou realizando a gestão das equipes;
  • Psicologia organizacional: trabalho com os colaboradores, líderes e gestores de empresas para potencializar a saúde do trabalhador e o desenvolvimento da instituição;
  • Psicologia educacional: atuação em escolas para atendimento aos alunos e articulação dos saberes psicológicos às práticas de ensino-aprendizagem;
  • Psicologia social e comunitária: atuação na rede de saúde pública (SUS), instituições e ONGs, atendendo a comunidade e promovendo espaço de escuta e acolhimento para populações em situação de vulnerabilidade.

Dessa maneira, os campos de trabalho para além da clínica tradicional atuam não só com os conceitos da Psicologia clínica, sustentando a escuta ética e ativa, mas também outras teorias psicológicas para guiar suas intervenções.

Pós-graduação em Psicologia clínica

No último tópico explicamos sobre as principais especializações na área, mas como funciona a pós em Psicologia clínica? Dentro das pós-graduações, você também terá que escolher a abordagem que orientará seus estudos e o campo de trabalho para que eles sejam aplicados.

No entanto, existe uma diferença importante entre as duas: enquanto as especializações são desenvolvidas como lato sensu, as pós-graduações em Psicologia clínica também podem ser feitas como stricto sensu. Ou seja: aqui, você pode fazer mestrado e doutorado.

Para tanto, é necessário escolher a abordagem e o campo de atuação, e participar de um processo seletivo em universidades públicas ou privadas. Uma vez dentro do programa, você pode realizar pesquisas, produzir artigos e contribuir para o desenvolvimento da ciência psicológica no campo clínico.

Psicologia clínica: salário

Um dos pontos que fundamenta a escolha profissional é a remuneração da futura profissão. Isso porque dificilmente um estudante opta por uma graduação sem ter em mente qual será o seu futuro salário. Por ser um campo muito amplo, a Psicologia clínica apresenta um salário bastante variável.

De forma geral, profissionais que atuam na área tradicional estipulam o valor da sua sessão e ganham por hora. Aqui, encontramos psicólogos que trabalham desde R$ 50,00 até R$ 900,00 a hora, dependendo do grau de especialização, tempo de trabalho, reconhecimento e local de atuação.

Por outro lado, profissionais de outros campos têm seus salários estipulados pelas instituições em que atuam ou pelo concurso público realizado. Assim, a remuneração é determinada pelo tempo de trabalho, nível de qualificação, risco de trabalho e local de atuação.

Onde estudar Psicologia

Se você optar por seguir carreira em Psicologia, também precisa enfrentar outra grande decisão: escolher a instituição de ensino que dará a base para sua aprendizagem. Escolhendo uma boa universidade, pública ou privada, é possível expandir cada vez mais seu conhecimento e garantir uma excelente graduação.

Hoje em dia, com o crescimento do estudo psicológico, é difícil encontrar uma instituição de ensino que não tenha o curso no seu currículo. Atualmente, os melhores cursos de Psicologia são da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e UnB (Universidade de Brasília).

Saber o que é Psicologia clínica, suas principais especializações e formas de atuação é fundamental para garantir uma escolha consciente e cursar uma excelente graduação. Para tanto, lembre-se de considerar as melhores universidades, diferentes salários e campos de trabalho, combinado?

E aí, gostou do nosso post? Então aproveite para conhecer um pouco mais sobre o curso de Psicologia para fazer uma boa escolha!

Você pode gostar também